Acompanhe fique por dentro Fórum acesso restrito

O que é?

Aurora Borealis, just after sunset

O lugar que eu sonho conhecer.
Foto: robert voors via Compfight

O TechnoPersonal é um roteiro de viagem para a tecnologia, não importa qual o seu fim: passeio, trabalho, encontros ou autodesenvolvimento. 

O mundo dos computadores não é um novo mundo. É um país que eventualmente você ainda não visitou, ou melhor, cuja língua você não domina. Estamos cercados de gente e ouvindo palavras que não entendemos. Tem um monte de gente falando coisas comuns que a gente não entende.

trauma de computador

O que não falta são países cuja língua a gente não conhece (ufa, a gente não precisa visitar todos – ou falar todas as línguas). O cansaço aparece em todos os relatos de pessoas que têm dificuldades com tecnologia. É como se, ao caminhar, você tivesse que pensar em cada passo que dá. Quando falam de tecnologia parece que estão falando grego o tempo todo com você. E essas pessoas pressupõem que, obviamente, você entendeu. Ou te tratam como criança. Isso te joga pra baixo. trauma de computador

O que isso causa em você? Raiva, tédio, indiferença, cansaço?  Põe você na ofensiva ou na defensiva? É um ciclo que precisa ser rompido para gerar alguma mudança. Estamos falando de como isso você lida com isso.

Apanhar da tecnologia é normal, assim como massacrar uma língua estrangeira; por que deveria ser diferente? trauma de computador

De volta à viagem: você entra num restaurante e não entende o que está no cardápio e precisa comer, porque está com fome. E eventualmente isso vai custar caro – seja para o bolso, seja para o estômago. (Eu já pedi uma vez num restaurante o prato cuja única palavra eu conhecia no cardápio: páprica. Era uma salada de pimenta!).

Happy Chinese little girl/iStockPhoto

Por que ela fala chinês e eu não?

Se você for para a China, ninguém vai te achar pior por não falar chinês, embora todas as crianças por lá falem. Para Stephen Pinker a gramática é algo que as crianças desenvolvem naturalmente entre os 5 e os 7 anos. Para quem teve o azar de chegar depois, é preciso esforço para aprender a gramática. Ela não vem naturalmente.

O TechnoPersonal é para os imigrantes no mundo das tecnologias digitais.

O que te atrai nessa terra nova?

O que você precisa conquistar?

Qual é o básico para sobrevivência? (Sim, estamos falando de conhecimento e de comportamento, mais o equipamento)

Você quer passar por um nativo? Falar sem sotaque?

O que é o sotaque nesse mundo digital? Sotaque significa pouca desenvoltura; medo de perguntar; medo de errar; não conhecer as palavras básicas e usá-las de forma incorreta.

Nenhum chinês conhece todas as palavras do mandarim. Para se passar por um nativo, é importante conhecer bem o coloquial, o que é falado no dia-a-dia dentro do ambiente em que você está. trauma de computador

Nem pense em entrar no chat da sua filha usando as gírias de adolescente. Você será desmascarado! Ou vai virar o assunto do dia naquele grupo. ;)

Você pode querer escalar o Everest mas só conseguirá realizar essa façanha pagando o preço, mesmo que seja meia entrada (existem socialites que escalam o Everest). Ou seja, não basta definir o que quer, é preciso ter bons motivos e recursos para conquistar seu objetivo. No caso do Everest é preciso saúde, dinheiro, treino, determinação, um bom guia e agenda – porque já existe infraestrutura para subir sem ser um grande alpinista.

Hoje, cada vez mais, não precisamos de computadores para fazer tarefas “digitais”. Já é possível, através do telefone, por exemplo, fazer muita coisa. Mesmo assim, você não vai entender o que está fazendo se não conhecer a lógica e a gramática da tecnologia digital.

Você pode fazer sem entender; entender e fazer ou não fazer. Estas são as opções do seu cardápio. O que você prefere? Os três pratos são bons, depende do que você quer agora.

A viagem

How fast you want to go?

Essa viagem é para profissionais

Ejaz Asi via Compfight

Existem viagens solitárias, entre amigos ou uma excursão. A viagem solitária é a que requer maior domínio e maiores habilidades. Viajar em grupo é o que nós vamos fazer durante os seis meses do TechnoPersonal.

Por que é mais fácil viajar em grupo? Porque todos contribuem com suas dicas e conhecimentos. Uns conhecem mais do país, outros da língua, outros têm amigos que moram lá… Mas em grupo você precisa saber que nem tudo é quando e como você quer, cada um tem diferentes interesses e todos eles terão que se harmonizar para que o grupo se mantenha. Ou seja, para viajar em grupo é preciso ter disponibilidade e atenção aos outros, sem perder de vista o que você procura.

Também existem as viagens de compras e o turismo predatório – aquele em que dinheiro pode tudo. Nas de compras a gente vai procurar as oportunidades, a liquidação, aquele outlet bacana e volta com a mala carregada – algumas coisas boas e muitas que você não precisa.

A história aqui é evitar a coisa das excursões. Com elas, você visita o país, mas não aprende a viajar. Aqui no TechnoPersonal, a ideia é que você aprenda a viajar. Se você quiser ser atendido e ficar reclamando, sugerimos uma excursão – ou seja, um curso de informática com foco no que você quer aprender.

Nosso objetivo é te ensinar a viajar. Você vai aprender viajando. Será uma viagem interior e em grupo. Vamos aprender a conviver e a colaborar. E também criar nossos próprios critérios, pessoais e baseados em nossas experiências, para evitar as dicas que não nos servem, que sempre aparecem quando estamos preparando uma viagem. Assim podemos fugir das roubadas.

Idealização é o maior inimigo

Superamerica 45.

Queria esse carro, mas…
CC Tom Wolf via Compfight

Na viagem idealizada, não há filas, o tempo sempre está bom, o taxista merece nossa confiança, malas jamais se perdem, o quarto do hotel é exatamente como você viu na foto, os museus nunca entram em reforma e estão sempre abertos no dia e na hora que você chega. Além disso, todos os sinais estarão verdes só porque você está atrasado, não há fila para o passaporte na Polícia Federal (ou no Consulado dos Estados Unidos), o avião não atrasará.

E na tecnologia, o e-mail sempre chega, é lido; a banda larga é sempre larga; o 3G existe; e quando você souber mexer, o site mal construído vai ficar bom. E quando você comprar todos os equipamentos, seus problemas acabaram.

Não, a vida não é assim, inclusive na nossa viagem. Que tal idealizar menos? (Um pouco de ilusão é bom ;) ).

Sonhar é preciso. Para quem sonha, os desafios fazem parte e nem são lembrados depois. Nós vamos trabalhar com os sonhos, não com as idealizações, combinado?